Pedro e Camila - Encontando-se

Conto 1

O dia amanheceu, mas com tudo isso na cabeça ela não conseguia dormir, apesar do cansaço da noite tão pensativa. ‘Putz, atrasei de novo!’ Chegando à porta lembra-se de pegar seus cadernos, ‘Do que vou ter aula?’, na dúvida levou todos.

A aula já se adiantara quando ela chegou e então descobriu uma das razões dela não ter dormido, ‘Era prova?’ E o professor não perdoava erros, não dava prova repositiva e ela teria que se defrontar com um zero sem razão. Como já havia perdido a manhã, foi ao bar da faculdade tomar um chocolate quente. Afinal, era uma manhã fria e um bom papo com sua amiga a faria relaxar. ‘Quem é aquele gatinho?’ Joana se assustou com a pergunta e já retrucou perguntando como ela não sabia. ‘Como haveria de saber?’, ela nunca o viu por lá.

A amiga se viu como telejornal, contando tudo sobre ele. Nome, telefone, datas, enfim, tudo. ‘Será que tem namorada?’ Joana não respondeu. ‘Deixa pra lá... Eu descubro.’ Ele parecia tão popular na faculdade, não seria difícil descobrir.

Posted by Hµ63Z on

Conto 1

O dia amanheceu, mas com tudo isso na cabeça ela não conseguia dormir, apesar do cansaço da noite tão pensativa. ‘Putz, atrasei de novo!’ Chegando à porta lembra-se de pegar seus cadernos, ‘Do que vou ter aula?’, na dúvida levou todos.

A aula já se adiantara quando ela chegou e então descobriu uma das razões dela não ter dormido, ‘Era prova?’ E o professor não perdoava erros, não dava prova repositiva e ela teria que se defrontar com um zero sem razão. Como já havia perdido a manhã, foi ao bar da faculdade tomar um chocolate quente. Afinal, era uma manhã fria e um bom papo com sua amiga a faria relaxar. ‘Quem é aquele gatinho?’ Joana se assustou com a pergunta e já retrucou perguntando como ela não sabia. ‘Como haveria de saber?’, ela nunca o viu por lá.

A amiga se viu como telejornal, contando tudo sobre ele. Nome, telefone, datas, enfim, tudo. ‘Será que tem namorada?’ Joana não respondeu. ‘Deixa pra lá... Eu descubro.’ Ele parecia tão popular na faculdade, não seria difícil descobrir.

***

Um sorvete e um bom papo, era tudo que Camila precisava para se apaixonar de vez. ‘Como é lindo!’, isso não saia de sua cabeça. Pedro realmente tinha mexido com seus pensamentos e seus sentidos. Mas quando Camila estava a ponto de se entregar ele lhe ofereceu uma carona para voltar pra casa… ‘Por que não?’

Assim que o carro se moveu, Pedro lhe perguntou se gostava de música, ‘Adoro!’ Então ele sacou uma pilha de CD’s do seu porta luvas pedindo que ela escolhece uma música. ‘Será que você vai ter?’ Procurava uma música em especial, que ouvira apenas uma vez. Encontrou num CD do Chico Buarque, ‘Toca essa!’

Pedro não parava de falar enquanto dirigia e no rádio começava a tocar Fantasia. Camila se aproximou e cantou baixinho no ouvido dele. Desconcertado, se destraiu no transito, ‘O farol fechou…’ Mas era tarde demais. As frentes dos carros se encontraram causando um pequeno estrago que nao foi capaz de tirá-lo do sério.

‘Putz, ele nunca mais vai querer ver minha cara!’ Ela passou a noite nisso. na manhã seguinte Joana liga perguntando como foi a noite anterior, ‘Uma merda! Acho que o perdi…’ Após algumas explicações à amiga, ‘Eu ligar pra ele?! Com que cara? Ele bateu o carro por minha causa! Ele ficou tão nervoso que não parava de rir…’ Mas Joana insistiu até Camila aceitar ligar.

‘Oi, Pedro. Tudo bem?’ Com respostas curtas e cansadas ele respondia todo o questionário. Sua voz era magoada, mas ela não queria desistir daquele cara tão bonito. ‘Te vejo na facu, Ok?’, se despediu mesmo sabendo que nao teria coragem de olhá-lo na cara.

***

‘Putz… Aula de Economia!’ reclamava Camila naquela manhã preguiçosa. Ela não estava com nenhuma vontade de ir para a faculdade, mas foi mesmo assim. ‘Qualquer coisa saio no meio da aula!’, dito e feito.

No meio da estúpida aula de economia, que nada tinha a ver com seu curso, ela saiu e foi até o bar tomar uma Coca-cola. Quando estava saindo encontrou Pedro chegando, ‘Pedro?!’

Ele chegou todo festivo à ela, com beijinhos, abracinhos e “ois, como vai você?”. Perguntou por que ela tinha sumido, ‘E eu teria cara de aparecer depois de te fazer bater o carro?’ Conversaram durante alguns minutos e ele a convidou para sairem pr’um chope. ‘Claro…’

***

O telefone toca e acaba com a calada daquela madrugada. ‘Ah!, Joana, eu nao tava em casa.’ A amiga queria conversar sobre uma bolsa de estudos a qual faria a entrevista no dia seguinte. Estava nervosa e nao conseguia dormir, ligou pra se acalmar.
‘Tava com o Pedro.’ Conversaram durante horas sobre ele, sua mania de roer unhas e seu apartamento simples e aconchegante, apesar de extremamente bagunçado, que Camila havia conhecido naquela noite. Joana riu com o comentario da camisinha que escapou “n” vezes e acabou se acalmando para a entrevista. ‘Claro que te acompanho, amiga. Mas precisamos dormir agora, estou exausta.’

No dia seguinte ela encontrou Joana na sala de espera da assistência social para a tal entrevista. ‘Te acalma, amiga, é só uma conversa!’. Joana andava de um lado ao outro da minúscula sala de espera e Camila tentava acalmá-la com palavras doces e calmas. ‘O que você tá fazendo aqui?!?!?!’ Ele tinha descoberto onde ela estava e foi lá buscar um beijo.

***

Chega uma carta ao apartamento de Camila com o simbolo da imobiliária responsável, ‘O que será? Nunca atrasei o aluguél.’Mas não tinha nada a ver com o aluguél, o motivo da carta era outro. ‘Putz…’

Ela liga apressada à amiga para conversar. ‘Que avião???’ Só então lembrou que naquele dia Joana partiria para os Estados Unidos com sua bolsa. Mas a mãe da amiga insistia em conversar sobre seu nervosismo.‘Nada não, tia!’ Mas acabou falando.

‘Deixa, tia, eu me viro!’ prometendo ligar se necessário. Mas logo em seguida ligou para outra pessoa, ‘O dono pediu o apartamento, me ajuda a procurar outro?’ Após a resposta possitiva veio outra idéia, ‘Eu morar aí? Tá maluco?’, mas não era de imediato, apenas se não encontrassem outro apartamento até a entrega deste e por um pequeno tempo, enquanto procuram algo. ‘Tá, mas vamos procurar antes.’

***

Pedro foi ajudá-la com a mudança e enquanto encaixotava as coisas encontrou uma cueca dentro de uma das gavetas. ‘Uma lembrança, é sua mesmo!’ Ele nem lembrava mais daquela cueca vinho, então deixou como recordação. ‘Nem é estranho, viu?’

Quando o caminhão chegou eles estavam encaixotando as coisas da cozinha e Camila deixa sua caneca favorita cair e quebrar. ‘Merda!’, mas pedro a acalma prometendo comprar uma nova e partiram ao destino.

Já na sua nova casa, ainda que temporária, Camila desencaixota as coisas e tenta arrumar tudo no apartamento. Pedro se aproximou lentamente, ‘Ai! Me assustou!’, mas era isso que ele queria. Se abraçaram com o abraço dos cansados no final de um exaustivo dia.

***

Naquela manhã Camila sentia um peso estranho no ar, se arrumou e foi para a faculdade. Não tinha aula, mas foi andar por lá para descansar a cabeça. ‘Exercicios fazem bem ao corpo e a natureza faz bem à alma…’

Passeou horas pelo campus da faculdade sem se sentir cansada. Andou, alongou e passeou durante todo o trajeto. Viu as palmeiras e as árvores tão diferentes que haviam por lá, árvores que ela tanto gostava. Quase se esqueceu de voltar pra casa, ‘Puxa, já está escurecendo!’ Mas a noite seria clara e a lua apareceria estonteante no céu. Camila decidiu esperar para ver as estrelas.

Chegou em casa tarde da noite e Pedro já estava preocupado com seu sumiço. ‘Tava andando e decidi ver as estrelas.’, acalmou ele. Porém o estranho peso no ar persistia, ‘Será que é a felicidade isso que encontrei?’

***


Comentários

Comente

Digite seu comentário abaixo. Os campos marcados * são necessários. Você deve visualizar o seu comentário antes de finalizar a postagem.

    



Comentários

Comente

Digite seu comentário abaixo. Os campos marcados * são necessários. Você deve visualizar o seu comentário antes de finalizar a postagem.

    




Comentários

Comente

Digite seu comentário abaixo. Os campos marcados * são necessários. Você deve visualizar o seu comentário antes de finalizar a postagem.